Noticias

Pastor é preso por pertencer grupo de extermínio

5.1-1-4

Policiais da 126ª DP (Cabo Frio) prenderam no Braga nesta terça-feira, um pastor  que integrava um grupo de extermínio responsável por pelo menos 30 mortes, na Baixada Fluminense. Segundo as investigações, os crimes ocorreram entre as décadas de 1980 e 1990. Conhecido como “Roberto Águia”, o ex-policial militar Renato Gomes, de 75 anos, havia sido condenado a 35 anos de prisão, em 2004.O suspeito teria praticado mais de 30 homicídios juntamente com outros homens do grupo de extermínio, tanto na capital do Estado, mas principalmente na região de São João de Meriti e Duque de Caxias. O grupo praticava os crimes sempre usando pistolas 9mm.

No entanto, ele conseguiu fugir e, desde então, exercia a função de pastor em uma igreja evangélica. Renato era sargento da PM, mas foi excluído da corporação após acusações de assassinato. Segundo a Polícia Civil, ele confessou os crimes e “afirmou ter perdido as contas de quantas mortes teria participado e que era muito temido na região”.

O ex-policial militar, Renato Gomes, de 75 anos, conhecido como “Roberto Águia”, foi condenado a 35 anos de prisão no ano de 2004. O mandado foi expedido e pelo Juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca da Capital.  Segundo a polícia, em sua última condenação, após a expedição do último mandando de prisão, Renato fugiu para Cabo frio, onde passou a exercer a função de pastor em uma igreja evangélica.

Em sua última condenação, Renato teve pena estipulada em 35 anos de cadeia, ganhando liberdade em janeiro de 2004. Porém, seis meses depois, quando foi expedido o presente mandado, o suspeito fugiu para Cabo Frio, onde passou a exercer a função de pastor em uma igreja evangélica, nome em que ele se recusou a informar a polícia. O preso será transferido para o Rio de Janeiro.

Renato Gomes era sargento da PM reformado, mas foi excluído da corporação por causa das acusações de assassinato.  A prisão do atual pastor foi realizada por agentes da 126ª DP (Cabo Frio).

Ainda segundo a polícia, Renato confessou os crimes e afirmou ter perdido as contas de quantas mortes teria participado e que era muito temido na região. O indiciado ficou preso na 126ª DP e será transferido para o sistema prisional.

1 comentário em "Pastor é preso por pertencer grupo de extermínio"

  1. Pena que não existe pena de morte!

    Sentaria no colo do Capeta mais cedo!