Noticias

Projeto Gol de Letra estimula atividades físicas e sociais em comunidade do Caju

raigoldeletra (2)

A organização não governamental Fundação Gol de Letra, reconhecida em 2001 como instituição modelo pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura  (Unesco),  está recebendo inscrições até a próxima sexta-feira (12) para o projeto Gol de Cidadania, que ocorrerá no sábado (13), na comunidade do Caju, zona portuária do Rio de Janeiro.

A Fundação Gol de Letra, criada em 1988 pelos ex-jogadores de futebol Raí e Leonardo, utiliza o esporte e a educação como ferramentas para a promoção do desenvolvimento integral de jovens, crianças e adolescentes de comunidades carentes.

Ela leva o projeto Gol de Cidadania ao Caju desde 2011.  O evento gratuito objetiva a estimular os moradores da comunidade para a prática de atividades físicas e integração social. É uma oportunidade também de as pessoas serem atendidas por serviços básicos como pressão sanguínea, glicose, avaliação física e escovação dentária. Um plantão de advogados dará informações e tirará dúvidas dos interessados a respeito de pensão alimentícia, guarda de menores, paternidade e questões trabalhistas, dentre outros.

Haverá ainda salas de leitura e uma oficina de samba, a cargo do projeto AfroReggae. A diretora executiva da Fundação Gol de Letra, Beatriz Pantaleão, informou hoje (10) que o projeto, além de mobilizar a comunidade local, é uma oportunidade para estender as ações às famílias do entorno.

O Gol de Cidadania integra o programa Dois Toques, que visa o desenvolvimento de habilidades sociais e pessoais de 250 crianças, de 7 a 14 anos, por meio de atividades educativas, esportivas e culturais. Paralelamente, o programa forma jovens na faixa etária de 15 a 21 anos para que atuem como multiplicadores e monitores nas diversas oficinas oferecidas.

Atualmente, 1,3 mil crianças, adolescentes e jovens de até 30 anos são atendidos de forma direta, pela Fundação Gol de Letra, na Vila Albertina, em São Paulo, e no Complexo do Caju, no Rio de Janeiro.

 

(Agência Brasil)