Noticias

Marcelo Piloto diz que pagava proteção a polícia paraguaia

Marcelo Piloto declarou, nesta terça-feira, que recebia proteção de um oficial da Polícia Nacional do Paraguai, país em que está preso desde dezembro do ano passado. O traficante brasileiro afirmou que pagava para ser protegido por Abel Cañete, atual diretor geral de Investigações Criminais da Polícia Nacional.

“Tenho provas, se algum promotor se interessar”, comentou o narcotraficante. Ao La Nacion, o comissário Cañete negou a acusação e informou que está à disposição para ser investigado.

Aos jornalistas, Piloto afirmou ser traficante de armas e drogas e negou que tenha planejado ataques terroristas com explosivos, como foi acusado após a descoberta de um esconderijo da facção. No dia 24 de outubro, uma tentativa de resgate de Marcelo terminou com três mortos no Paraguai.

“Não estou dizendo que eu sou inocente”, disse o narcotraficante. “Todo mundo sabe que me dedico ao comércio de armas e drogas. Compro em Assunção e vendo em Ciudad Del Este, vendo em Pedro Juan Caballero. Vendo coisas ilícitas, sou comerciante. Sou traficante, não sou terrorista. Ser acusado de terrorista no Brasil pode acabar em morte”, completou o criminoso.

A Justiça do Paraguai já autorizou a extradição do narcotraficante . De acordo com informações do jornal paraguaio La Nacion, a decisão foi tomada pela juíza Alicia Pedrozo, no dia 26 de outubro, após diversas tentativas de resgate do chefão do Comando Vermelho (CV).

A extradição de Piloto, no entanto, só ocorrerá após a conclusão de dois processos que ele responde no Paraguai, um por homicídio e outro por falsificação de documentos. Piloto é condenado a 26 anos de prisão no Brasil.

Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto, foi preso no Paraguai em dezembro de 2017. Ele foi encontrado em uma operação da Secretaria de Estado de Segurança do Rio (Seseg), em conjunto com a Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), a Polícia Federal brasileira, a Polícia Nacional do Paraguai e a Agência Antidrogas Americana (DEA).

Piloto era homem de confiança de Fernandinho Beira-Mar (preso em penitenciária federal há 11 anos), tendo recebido todos os contatos de fornecedores de armas de Marcelinho Niterói, morto por agentes da Polícia Federal na Maré, em 2011.

Na ficha criminal do traficante, há também participações em ações violentas, como arrastões e ataques a Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), além de resgate de preso.

Segundo o Portal dos Procurados, Piloto, também conhecido como Celo, foi preso pela primeira vez em 1998. Em 2007, seis dias após ganhar da Justiça o benefício do regime semiaberto, ele fugiu do Instituto Penal Edgard Costa, em Niterói, na Região Metropolitana. Contra ele, havia ao menos 20 mandados de prisão.

Piloto faz parte do grupo de dez traficantes, acusados de participar do resgate de Diogo de Souza Feitoza, o DG, de 29 anos, da 25ª DP (Engenho Novo), no dia 3 de julho de 2012. A principal área de atuação dele era em Inhaúma, Ramos, Penha, Bonsucesso, Pilares e Benfica. O traficante costumava ainda promover bailes funk nas comunidades, impulsionados pela venda de drogas, e circular com carros roubados. Em julho de 2010, Piloto teria participado de arrastões na Avenida Pastor Martin Luther King e na Linha Amarela.