Noticias

Temer menti em entrevista na Rússia e diz que crise política não afeta economia

Apesar do desemprego no Brasil bate novo recorde e atinge mais de 13-milhoes de brasileiros e da crise financeira que ameaça a oferta de serviços em hospitais públicos e nas escolas públicas do Brasil  Michel Temer concedeu entrevista coletiva a jornalistas hoje (20), em Moscou, na Rússia, e afirmou que a crise política não atrapalha o avanço econômico do Brasil. Ele citou o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) após dois anos de queda.

“Tanto não atrapalha que vocês vejam que neste primeiro trimestre houve um aumento de 1% no PIB e os indicativos são todos no sentido de que este aumento vai continuar. A inflação hoje é menos de 4%, não é? Quando nós chegamos ao governo estava em torno de 10% e vocês sabem que até o final do ano estará abaixo do centro da meta, que é 4,5%. Aliás, eu tenho lido em vários articulistas exatamente isso: crise política não prejudica hoje a economia”, disse o presidente após um seminário de captação de investimentos russos para o Brasil.

ccvsAlém disso, agradeceu publicamente o apoio da Rússia que, de acordo com o presidente, manteve o comércio de carne com o Brasil durante a crise que o setor viveu com as investigações da Operação Carne Fraca (), da Polícia Federal. O presidente classificou a operação como “coisa hipotética”. “Quando se lançou aquela coisa hipotética, da chamada Carne Fraca, era para atingir dois ou três frigoríficos.

O presidente também foi questionado sobre o relatório que está sendo preparado pela Polícia Federal a partir das delações da JBS, onde o dono do frigorífico JBS, afirmou que o grupo político em torno do presidente Michel Temer (PMDB) é “a maior e mais perigosa organização criminosa deste País” e que o presidente é o líder dela.  A divulgação do conteúdo instalou uma crise na economia do País que chegou a interromper as operações da bolsa de valores de São Paulo. . O prazo inicial para concluir a investigação terminou ontem (19) e a PF pediu mais prazo . Sobre o assunto, o presidente foi breve: “Vamos esperar. Isso é juízo jurídico”.