Noticias

Governador do Rio estuda incorporação de gratificação a policiais civis

O governador Luiz Fernando Pezão afirmou na manhã desta quinta-feira (22/5), após reunião com representantes do Sindicato da Polícia Civil (Sindpol), que pretende enviar, até o fim de junho, mensagem à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, com a proposta de incorporação da gratificação especial dada aos policiais em Delegacias Legais.

Pezão disse que o Governo estuda como será possível que isso seja feito sem prejuízo aos cofres públicos.

Segundo Pezão, a Polícia Civil manteve o esquema de atendimento dentro das delegacias, sem prejuízo à população.

Alem do governador, participaram do encontro o secretario de Segurança, Jose Mariano Beltrame, o secretario da Casa Civil, Leonardo Espíndola, e o chefe de Policia Civil, Fernando Veloso.

De 2007 até agora, o Estado já concedeu 123,5% de aumento no vencimento aos policiais civis, policiais militares, bombeiros militares e inspetores da Administração Penitenciária. Esse aumento teve repercussão em todas as verbas estabelecidas em lei, gratificações que são percentuais do vencimento básico, além do triênio, que incide sobre a soma de todas as parcelas.

Em fevereiro deste ano, esse mesmo grupo teve aumento de 11,18% sobre seus vencimentos. Esse aumento foi o dobro da inflação dos últimos 12 meses, e beneficiou 133.387 pessoas. Em fevereiro de 2013, o aumento foi de 23,3%.

Além disso, o Estado reajustou a gratificação Delegacia Legal em 70%, de R$ 500 para R$ 850; triplicou a da Core (unidade de elite da Polícia Civil), de R$ 500 para R$ 1.500, e instituiu uma gratificação de capacitação de R$ 350 para os demais agentes de polícia. Os delegados de polícia receberam aumento escalonado em 2010 de cerca de 70%, além de outros reajustes anteriores menores que somaram 23,8%, o que totaliza 110,5% de aumento.

Todo esse esforço fez com que a remuneração média (a soma de todas as verbas recebidas) de um inspetor de polícia passasse de R$ 2.462, em 2007, para R$ 6.119, mais 148%, em 2014. Um oficial de cartório teve sua remuneração reajustada de R$ 2.550 para R$ 6.887, crescendo 170%.