Noticias

Servidores da Segurança começam a receber aumento de 11,18%

Os pensionistas dos policiais e bombeiros militares, policiais civis e inspetores da Administração Penitenciária começaram a receber nesta segunda-feira (24/02), o aumento de 11,18% sobre seus vencimentos. As novas pensões serão pagas até a próxima sexta-feira, dependendo do número de matrícula. Os ativos e inativos vão receber o aumento no dia 1º de março, quando estará liberado o pagamento de fevereiro dos servidores estaduais.

O aumento para o pessoal da Segurança é o dobro da inflação dos últimos 12 meses, de acordo com o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE, e está beneficiando 133.387 pessoas, entre ativos, inativos e pensionistas. Em fevereiro do ano passado, esse mesmo grupo recebeu aumento de 23,3% e, desde 2007, vem tendo reajustes sempre acima da inflação, como parte de um projeto de melhoria das remunerações dos servidores civis e militares da área de Segurança.

– Esse ciclo de reajustes que começou em 2007 é um esforço que o governo fez de valorização da remuneração do pessoal da Segurança, com aumentos que consideramos bastante expressivos – disse o secretário de Planejamento e Gestão, Sérgio Ruy Barbosa.

Segundo o secretário, os vencimentos e as verbas fixas e permanentes cresceram 126% neste período e, com o incremento de outras gratificações, como UPP, Programa de Qualificação, Delegacia Legal, Auxílio Transporte e outros benefícios, esses aumentos chegam até a 191% nos últimos sete anos, como é o caso dos inspetores de Administração Penitenciária, que, além dos mesmos aumentos concedidos aos demais servidores civis e militares da Segurança, foram beneficiados com um plano de carreira – explicou Ruy Barbosa.

O secretário lembrou também dos Prêmios de Produtividade pagos semestralmente aos policiais civis e militares.
– A política remuneratória para essas categorias está vinculada à política de Segurança Pública, ou seja, não foi apenas melhorar por melhorar, mas também entregar à população resultados na área da Segurança – afirmou.

Com o aumento de fevereiro deste ano, a remuneração de entrada de um soldado da Polícia Militar, por exemplo, passará de R$ 874,53, em janeiro de 2007, para R$ 3.159,50, incluindo a gratificação de R$ 750 paga aos soldados que integram as Unidades de Policia Pacificadora (UPPs), para onde vai a maioria do efetivo atualmente incorporado, e R$ 100,00 de auxílio transporte. Isso representa um aumento de 262,28% em sete anos, contra uma inflação (IPCA) acumulada no período de 46,7%.

Quanto ao salário médio do soldado PM, considerando apenas os vencimentos e verbas fixas, passou de R$ 1.181,85, em 2007, para R$ 2.790,26, a partir de fevereiro, um aumento de 136,10%. A remuneração media do capitão PM subiu 137,13%, de R$ 3.543,21 para R$ 8.402,16.

Na Polícia Civil, o inspetor de polícia teve aumento de 138,30% desde 2007, com a remuneração média passando de R$ 2.447,11 para R$ 5.831,56. A remuneração média do comissário subiu 137,81%, de R$ 3.839,45 para R$ 9.130,75. Já o inspetor de Segurança e Administração Penitenciária conseguiu um aumento de 191,32% em sua remuneração média, que passou de R$ 1.947,77 para R$ 5.674,20.

O secretário afirmou que, além dos aumentos salariais, houve crescimento no efetivo em toda a área da Segurança. Comparando 2007 com 2014, os ativos da Polícia Militar passaram de 38.229 para 46.716, um incremento de 22%; no Corpo de Bombeiros, os ativos passaram de 14.782 para 15.499, mais 5%; na Polícia Civil, esse crescimento foi de 2%, de 9.884 para 10.124; e na Secretaria de Administração Penitenciária, o aumento do efetivo foi de 54%, de 3.274 para 5.052.

Para tornar isso possível, o governo aumentou as despesas na área da Segurança em 296%. Ele explicou que em 2006, último ano do governo anterior, foram gastos R$ 1,8 bilhão, enquanto para 2014 estão previstas despesas de R$ 7,2 bilhões. Só na Polícia Militar, onde se concentra cerca de metade das despesas em Segurança, o crescimento foi de R$ 916 milhões, em 2006, para R$ 3,6 bilhões em 2014.