104 anos do Theatro Municipal é comemorado com programação especial

Segundo a Subsecretaria de Comunicação Social Social do Estado do Rio, Theatro Municipal do Rio de Janeiro – espaço da Secretaria de Cultura – vai oferecer ao público no domingo, 14 de julho, programação variada e gratuita para celebrar os seus 104 anos de arte e emoção. A festa é uma tradição no calendário cultural da cidade e reúne apresentações com os três corpos estáveis do TM – Ballet, Coro e Orquestra Sinfônica – e ainda com a Banda de Fuzileiros Navais, o grupo Os Pequenos Mozart e alunos da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, além de palestra do projeto Falando de Ópera.

O programa será aberto às 8h30 com apresentação da Banda de Fuzileiros Navais, diante do Theatro Municipal e nos arredores. Na sequência, às 9h30, será a vez do concerto do grupo Os Pequenos Mozart, formado por crianças de 3 a 14 anos, sob a direção artística de Suray Soren. O conjunto é dono de um repertório vasto, que inclui obras de compositores clássicos e populares, a exemplo de Mozart, Vivaldi, Pixinguinha, Brahms e Beatles. Às 10:30h, os alunos da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa sobem ao palco do TM para apresentar duas coreografias. A primeira será Estudos de Dança, com músicas de Strauss e Lumbye e coreografia assinada por Dalal Achcar. Em seguida, será apresentada La Bayadère (Suite do Pas D’Action), com música de Minkus e coreografia Marius Petipa.

Ao meio-dia, teremos o terceiro ato do ballet O Lago dos Cisnes, com música de Tchaikovsky e coreografia de Yelena Pankova, elaborada com base na criação original de Marius Petipa e Lev Ivanov. Este ato, executado pelo Ballet e pela Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, é aquele do Cisne Negro, que ficou conhecido do grande público no bem-sucedido filme O Cisne Negro, do diretor Darren Aronofsky, com os atores Natalie Portman e Vincent Cassel. Intitulado O Baile no Castelo, é ambientado na festa de aniversário do Príncipe Siegfried, um dos protagonistas, quando surge a antagonista Odile, que, vestida de negro, tenta se passar pela rainha dos cisnes e, a todo instante, seduz o Príncipe com seus atributos astuciosos de feminilidade e sensualidade. Levado pela paixão e cheio de desejo, Siegfried percebe a fugaz aparição do cisne branco, através dos vitrais do castelo, e lembra de seu juramento de amor eterno e fiel a Odette, a bela transformada em ave pelo feitiço do vilão Rothbart, pai de Odile. No papel do Cisne, a primeira bailarina Márcia Jaqueline, contracenando com Filipe Moreira, intérprete do Príncipe Siegfried.

O Coro do Theatro Municipal sobe ao palco às 14h para apresentar a famosa cantata de Carl Orff, Carmina Burana. Baseado em partituras musicais escritas na idade média por monges germânicos, Orff compôs este conhecido oratório, que, ao contrário do que possa sugerir, não é música religiosa. Seus textos falam sobre prazeres sensuais, portanto, longe do interesse dos fiéis católicos e protestantes. Orff criou sua música de uma forma cíclica, dividida em cinco seções, começando com a famosíssima Fortuna, Primavera, Corte do Amor,

Na Taverna, até voltar para a maravilhosa Fortuna. A execução terá a regência de Jésus Figueiredo e, como solistas, o soprano Lina Mendes, o tenor Sebastião Câmara e o barítono Homero Velho.

O programa segue com o projeto Falando de Ópera, às 17h15 palestra realizada pelo Maestro Silvio Viegas sobre a ópera A Valquíria, na qual conta a história de uma das obras-primas de Wagner e aborda detalhes da montagem que será encenada a seguir.

Às 18h, será a estreia da ópera A Valquíria, de Richard Wagner. O soprano Eliane Coelho (Brünnhilde), o baixo-barítono Licio Bruno (Wotan), o soprano Eiko Senda (Sieglinde), o tenor Zvetan Michailov (Siegmund), o mezzo-soprano Denise de Freitas (Fricka), o soprano Daniella Carvalho (Gerhilde), o baixo Sávio Sperandio (Hunding) e as Valquírias Daniella Carvalho, Maíra Lautert, Veruschka Mainhard, Flávia Fernandes, Magda Belotti, Carolina Faria, Marina Considera e Daniela Mesquita, juntos com a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, farão a première da monumental ópera em versão integral. Segunda ópera do ciclo que compõe

O Anel dos Nibelungos, de Wagner, o espetáculo que homenageia o bicentenário de nascimento do compositor alemão é resultado da parceria com o Theatro Municipal de São Paulo. Sucesso de crítica e público, a montagem conta com a assinatura do Maestro Luiz Fernando Malheiro, na regência e na direção musical, e de André Heller-Lopes, na concepção e na direção cênica.