Noticias

Motorista desaparecido é encontrado baleado em hospital

O motorista de aplicativo Gilbert Teixeira de Souza, de 32 anos, não resistiu aos ferimentos após, segundo parentes, ter sido baleado três vezes. A Polícia Civil buscava o paradeiro da vítima, que estava desaparecida desde a última segunda-feira. Familiares receberam a informação de que ele fora encontrado ferido e levado para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier, Zona Norte do Rio, e morreu na unidade nesta quinta-feira.

O  motorista foi localizado ferido próximo à Rua Lemos de Brito, em Quintino, também na Zona Norte. Ainda não há detalhes, porém, sobre como ele foi encontrado e levado para a unidade hospitalar. O caso era investigado pela Delegacia de Descobertas de Paradeiro (DDPA). Com a morte da vítima, a apuração das circunstâncias do crime passou a ser de responsabilidade da Delegacia de Homicídios da Capital (DH).

Segundo parentes do motorista, a família soube da morte do motorista após receberem uma ligação dos agentes, informando que ele estava no Salgado Filho. O carro dele já havia sido encontrado antes, também em Quintino. Nesta quarta-feira, o Disque Denúncia havia divulgado um cartaz que pedia informações que levassem ao paradeiro de Gilbert.

A família ainda não tem detalhes das circunstâncias do caso, mas tinha esperanças de localizar homem com vida.

— Foi encontrado (por nós) já no hospital e baleado. Mas não resistiu. Foram três tiros. Ainda não sei como ele chegou até o hospital. É muito sério isso, matar um motorista… — disse a tia da vítima Neli Kika Alves Teixeira.

Morador da Penha, Gibert teria sido visto pela última vez na noite de segunda-feira. Ele trabalhava como motorista de aplicativo há cerca de dois anos. Seu desaparecimento ocorreu depois que ele foi trabalhar, após ter ido ao enterro de um parente.

O motorista é descrito como um homem muito ligado a família. Ele deixa um filho, de acordo com parentes.

— Ele era muito do bem. Tinha um filho e morava perto dos pais, bastante ligado à família. Nossa família é muito unida. Era um jovem que tinha a vida toda pela frente…. era uma pessoa muito boa — acrescentou a tia da vítima.