Noticias

Cerca de 112kg de alimentos são apreendidos em restaurantes no Rio pelo Procon

A Secretaria de Proteção e Defesa do Consumidor, por meio do Procon-RJ, realizou na última terça-feira (16/07) a Operação “Uai!”, com o objetivo de fiscalizar restaurantes de comida mineira nas zonas Sul, Oeste, Norte e nos municípios de Niterói e Duque de Caxias. Os fiscais estiveram em 16 restaurantes e 11 deles foram multados por uso de alimentos impróprios para o consumo – os agentes apreenderam e descartaram 112kg de produtos, na sua maioria, com a validade vencida.

Dos 112 kg de alimentos descartados, 93 kg eram de comida vencida e 19 kg não tinham informação da data de manipulação e nova data de validade.

Entre os restaurantes que tiveram maior apreensão está o Mineiro de Botas, em Duque de Caxias. No local, os fiscais encontraram 34 kg de comida imprópria para o consumo, sendo 29 kg de comida congela derivada de sobras do buffet, como feijoada, dobradinha e doces de goiaba.

No restaurante Vim de Minas, em Niterói, a equipe de fiscalização encontrou 21 kg de alimentos vencidos como mostarda, pão de forma e requeijão. Outra grande apreensão aconteceu no restaurante A Mineira, em São Francisco, também em Niterói. Lá, os fiscais identificaram 25 kg de comida fora da validade, café e recheio de carne, camarão e frango. Os fiscais também encontraram irregularidades nos restaurantes Estação Minas, Feijão Tropeiro, Trem Bom, A Mineira, no Recreio, A Mineira Gourmet e Botequim A Mineira.

Já no estabelecimento Três Pontes, na Barra da Tijuca, foram encontradas duas garrafas de água mineral vencidas, e no Restaurante Cantinho de Minas, em Jacarepaguá, os agentes detectaram ausência do Código de Defesa do Consumidor e dois pacotes de chocoball com prazo de validade vencido.

Na Operação ‘Uai!’ os restaurantes À Mineira, no Humaitá; Versão Carioca, em Botafogo; Brasileirinho, em Ipanema; Restaurante Minas, no Centro; e A Mineira, na Rua Washington Luiz, estavam todos em dia com o Código de Defesa do Consumidor. Trabalham com produtos dentro da validade e todos os alimentos manipulados tinham etiquetas comprovando as datas e informando novas datas de validade.

Todos os estabelecimentos multados vão pagar multa que pode variar de 200 a 3 milhões de Ufirs.